terça-feira, 21 de setembro de 2010

Sem autonomia para despertar quando bem entende e com autonomia para escolher a forma como a desperta, ele cantou Infinito Particular para o novo dia.

Lá fora, a luz vibrante a convidava para mais uma experiência de vida. No interior, algo inconcluso reclamava sua atenção.

Aquela melodia soou inédita a seus ouvidos; se ouvira antes, não sentiu os versos.

Quando um estranho conhecido a convida para um mergulho sem corpo na alma, ela não tem dúvidas em se descrever a partir daquelas sonoras letras, onde agora via cores.

Infinitamente pleno de certezas cheias de dúvidas é seu particular multicolor. Mas nele, ao contrário, há segredos, segredos que só se deixam reconhecer por outros infinitos especialmente particulares.

2 comentários:

Luiz disse...

Como tem gente que gostaria de conhecer esse infinito particular...

Rê disse...

vivi, vivi...rsrsrs

vai atualizar esse negócio aqui não?