terça-feira, 2 de junho de 2009

Resolveu Eva quebrar o silêncio. Não era silêncio de menina birrenta, mas de mulher de orgulho que receava doar-se em vão. Foi decisão de rompante com causa justificada. E justa também, quem sabe? Respostas de longe que vieram frias precipitaram a mudança de comportamento. E que então o tempo, conforme vontade, se encarregasse de murchar ou completar aquele sentimento.

2 comentários:

Isadora disse...

Vivi, que diabo de Eva é essa? E quem é ele? Você???? Bjim

Viviane de Paula Viana disse...

Ô gente curiosa... Eva é uma personagem, como outras que criei. Fantasia.
Beijos