terça-feira, 16 de junho de 2009

Temple Grandin em Um antropólogo em Marte me fez pensar se a dificuldade em compreender as interações entre duas pessoas é característica dos autistas ou de todos nós. Ela achava que, por ser autista, não entendia as insinuações, os comportamentos esperados, as ausências, as palavras ditas pela metade, os gestos que nem sempre correspondem às afirmações feitas. Mas nós, seres dito normais, dominamos esse repertório?

Alguém pode argumentar que os autistas não têm a capacidade de experimentar determinados sentimentos. Todos temos? E isso prova o que?

Sim, talvez haja mais deficiências do que as estatísticas da Saúde são capazes de qualificar.

2 comentários:

Anônimo disse...

Amiga,
vc pode ser autista e nem sabe...rsrsrsrsrsrsrsrs
PS.: brincadeirinha...
Cledivânia

Viviane de Paula Viana disse...

...ou sei e não conto pra ninguém...

Que bom "ver" você por aqui!

Beijos,