segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Dieta do mau humor

Um copo de leite integral, três castanhas, uma colher de farinha de linhaça, três colheres de flocos de aveia, uma fruta média, duas colheres de maltine e mel. Essa é a receita do meu novo café da manhã, atestada por uma nutricionista. Outra promessa de Ano Novo em parte cumprida.

Expliquei a Dra. Somos O Que Comemos o que faço, quem sou e, mantendo minha essência, quem pretendo ser daqui a três meses. Ela historiou tudo o que comi no dia anterior e quis conhecer o passado de doenças. No meu caso, graças aos céus ou à genética, o passado de saúde.

Depois de tomar nota da minha altura, do meu peso e da composição desse peso, olhou-me com cara de tempo nublado – a mesma com que me recebeu e passou por mim duas vezes na sala de espera sem me cumprimentar – como se fosse anunciar diagnóstico fatal. Estava eu tão cansada da malhação de meio-dia que nem me preocupei com o que poderia ser dito. Apenas esperei, sem ansiedade.

Ela disse que meu percentual de gordura é baixíssimo, em torno de 14%, e que estou ótima. Foi quando concluí que a cara dela é sempre aquela de quem acabou de acordar com enxaqueca e resseca. Menos mal. Perguntou o que eu fazia no consultório. Expliquei que estou na academia e que quero ganhar massa muscular. Ouço que meu percentual de massa já é alto e que devo aumentar mais dois ou três quilos apenas. Não contrario. E ela continua:

- Você não imagina o que sofro para controlar o sobrepeso. Oito em 10 mulheres querem ter o seu corpo.

Estava quietinha até então, mas já que ela resolveu conversar, aproveitei a deixa:

- Pois é. Esse é o problema. As mulheres me invejam e cada vez seco mais. Em compensação, segundo a revistinha que lia na sala de espera, apenas 10% dos homens gostam de mulheres magras. Levando-se em consideração a população de gays, veja bem quem sobra pra mim.

Pensei que ela fosse rir, emendar o assunto, entrar no clima da brincadeira. Quer dizer, mais ou menos brincadeira. Li aquilo mesmo na revista. Logicamente não fui lá motivada por pesquisa nenhuma, muito menos para fisgar homem. O motivo foi totalmente egoísta: cuidar de mim. Mas senso de humor é para poucos privilegiados:

- Viviane, você está tomando algum antidepressivo?

Segurei a vontade de rir para não parecer ainda mais louca. Daí em diante, sem conversinhas paralelas. Concentrei-me nas tabelas nutricionais, na similaridade dos grupos alimentares e na importância das leguminosas.

A caminho do carro, rindo sozinha, pensei como tem gente estranha nesse mundo.

5 comentários:

Marco Antonio disse...

Só 10% dos homens gostam das magras!? A pesquisa que vc leu usou dados da Renascença? Reconheço que a minha preferência pela magreza possa ser exagerada, mas como boa parte das moças que causam torcicolo em amigos, conhecidos e homens em geral são magras, concluo que vc está se preocupando a toa... Mesmo assim responda, vc está tomando algum antedepressivo?

Ana Laura disse...

kkkk...adorei!
Qual o nome dessa doida mal-amada?

Renata Costa disse...

Concordo plenamente como Ana Laura se referiu a Doutora, "doida mal-amada"... kkkk
Por isso q eu procuro sempre o sexo masculino para cuidar de mim, tem a chance de terem a autoestima no lugar certo...

Anônimo disse...

Viviane, eu adoro o seu bom humor!!! Saudades... Patrícia

Viviane disse...

Ana e Renata, vocês não imaginam como fiquei chocada na hora. Assim que ouvi a pergunta, ainda tive a esperança de que fosse uma brincadeira. Mas que nada... Pior foi me controlar pra não cair na gargalhada.
Marco, você não vale nada...rs

Beijos e obrigada pela interação!